Grand São Luis Hotel, com duas noites de hospedagem. Porto Preguiças Resort 5 noites em Barreirinhas.

 Acomodação: 07 noites de hospedagem em apartamento duplo standard com café da manhã

 Traslado: 

  • Aeroporto / hotel / aeroporto em São Luis;
  • Hotel em São Luis / Hotel em Barreirinhas / Hotel em São Luis;
  • Passeio em veiculo 4x4 até os Grandes Lençóis e visita à lagoa da época (se disponivel);
  • Passeio de lancha pelo Rio Preguiça com visita aos povoados de Vassouras, Mandacarú e Caburé. Acompanhamento de guia local. 

Companhia Aérea: 

 

Sugestão de Roteiro

1º Dia Curitiba / São Luiz / Porto Preguiças Resort – Recepção no aeroporto e traslado até o hotel. Resto do dia livre. Hospedagem.

2º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

3º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

4º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

5º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

6º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

7º Dia – Porto Preguiças Resort – Dia livre. Hospedagem

8º Dia – Porto Preguiças Resort / São Luiz / Curitiba – Em horário combinado, traslado ao aeroporto para embarque em vôo de retorno a Cidade de origem. Fim de nossos serviços.

Para ajudar a definir oque será feito nos dias livres, disponibilizamos na aba Observações várias dicas e informações do destino, além dos termos e condições do pacote, confira!

DATAS DE SAÍDA

Partindo de: Data
Curitiba 14 a 21 de maio de 2018
  • Passagem aérea de ida e volta com saída de Curitiba e conexão em São Paulo;
  • Traslado de chegada e saída regulares: aeroporto / hotel / aeroporto;
  • 05 noites de hospedagem em Barreirinhas *regime café da manhã.
  • 02 noites de hospedagem em São Luis *regime café da manhã.

 

  • Taxas de embarque não incluídas;
  • Valores válidos para saídas de Curitiba;
  • Preços em Reais (R$) e válidos para 01 pessoa em apartamento duplo, sujeito a alterações sem aviso prévio;
  • A cotação foi baseada na menor tarifa aérea publicada, podendo sofrer alteração devido a disponibilidade de lugares no ato da compra;
  • Valores somente cotados e sujeitos à alterações e disponibilidade no ato da reserva;
  • Reservamo-nos no direito de corrigir eventuais erros de digitação e publicação  deste material;
  • Consulte-nos para maiores informações sobre o pacote, condições gerais e políticas de cancelamento.

 _________________________________________________________

Conheça São Luís-MA!

São Luís foi fundada pelos franceses, em 1612, mas coube aos portugueses darem à capital do Maranhão sua marca registrada - seu belíssimo estilo arquitetônico. Foram os lusitanos que deixaram como herança os mais de três mil sobrados e casarões que se espalham pelas ruas e praças do Centro Histórico, no bairro de Praia Grande.

Hoje, os antigos solares do barões abrigam espaços culturais, museus, lojas e restaurantes que preservam em suas fachadas os coloridos azulejos portugueses. 

A melhor época para ir a São Luís é entre os meses de junho e dezembro, quando o tempo é quente e seco, com ventos frescos. De janeiro a junho as chuvas são constantes. As festas mais concorridas - Bumba-Meu-Boi e São João - acontecem nos meses de junho e julho.

 

Explorar o Centro Histórico

Casarões, sobrados e solares coloniais espalham-se pelas ruas, praças e ladeiras do Centro Histórico. Restaurado, o casario abriga espaços culturais, lojas, restaurantes e museus. Na fachada da maioria das construções, a marca registrada de São Luís - os coloridos azulejos portugueses.

Casa do Maranhão - O museu folclórico funciona no antigo Prédio da Alfândega, datado de 1873. As visitas guiadas apresentam todo o acervo, formado por vestimentas e instrumentos musicais usados nas festas do Bumba-Meu-Boi. Para saber mais sobre o Centro Histórico e a cultura maranhense, siga para a sala de vídeo.

Casa de Nhozinho - O museu está instalado em um dos mais imponentes prédios coloniais do Centro Histórico, com quatro andares e fachada recoberta de azulejos. O nome do espaço é uma homenagem ao artesão maranhense que, ao longo da vida, confeccionou brinquedos e figuras do folclore em buriti. No acervo da casa estão inúmeras obras de Nhozinho, com destaque para as delicadas miniaturas de personagens do Bumba-Meu-Boi. Também estão expostos objetos e artefatos do cotidiano regional, como pilões, carro de boi, utensílios de pesca e artesanato indígena. Aproveite as visitas guiadas para conhecer em detalhes cada um dos pavimentos.

Museu Histórico e Artístico do Maranhão - O preservado Solar Gomes de Sousa, erguido em 1836, foi transformado em museu em 1973. Os objetos em exposição - mobiliário, porcelanas, vidros e cristais - reconstituem os ambientes das ricas residências maranhenses dos séculos 18 e 19. Antes de entrar para uma visita guiada, aprecie a fachada, um belíssimo exemplar da arquitetura colonial portuguesa.

Solar dos Vasconcelos - O sobrado abriga exposição de fotos e de objetos que mostram as transformações pelas quais passou o Centro Histórico. Apresenta ainda uma coleção de maquetes e miniaturas de embarcações típicas usadas pelos maranhenses.

Museu de Artes Visuais - O destaque da exposição são os estilos variados dos azulejos portugueses, ingleses, franceses e alemães dos séculos 18 a 20. Também há coleções de pinturas de artistas brasileiros e de arte sacra do século 17. Um mirante no terceiro andar descortina bonita vista do Centro Histórico, da baía de São Marcos e do Mercado Praia Grande. Há visitas guiadas.

Cafua das Mercês - Sede do Museu do Negro, o pequeno sobrado colonial do século 19 funcionava como mercado de escravos. O acervo reúne objetos de tribos africanas, como instrumentos, musicais e indumentárias usadas em rituais festivos e religiosos.

Palácio dos Leões - Quando foi erguida pelos franceses, em 1612, a construção foi batizada de Fortaleza de São Luís. Tomada pelos portugueses, foi transformada em um palácio neoclássico com salões que exibem mobiliário, obras-de-arte, gravuras e quadros dos séculos 18 e 19.

Teatro Arthur Azevedo - O segundo teatro mais antigo do Brasil foi inaugurado em 1817. A bela obra em estilo neoclássico ficou abandonada por cerca de 30 anos - de meados de 1960 a 1991 - sendo restaurada em 2005. Desde 2006, a casa é aberta ao público para visitas guiadas e espetáculos.

Convento das Mercês - O antigo convento abriga um espaço cultural onde estão o Memorial José Sarney, com objetos relacionados ao ex-presidente; e também o Museu da Memória Republicana. Em julho, é palco do Vale Festejar, um São João fora de época.

Matriz da Sé - A igreja erguida pelos jesuítas em 1699 passou por uma série de reformas desde a inauguração. Em 1922, a fachada ganhou detalhes neoclássicos, enquanto nos anos 50 o teto da nave foi incrementado com pinturas. O altar-mor, porém, foi preservado, com rebuscadas talhas douradas barrocas do século 19.

Casa das Tulhas - A construção de 1820 e fachada colonial abriga o Mercado Praia Grande, repleto de delícias típicas - castanha de caju e doces, além de cachaça de mandioca e farinha.

Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho - Também conhecida como Casa de Festa, o casarão do século 19 reúne material referente a ritos e folguedos. A exposição é composta por vestimentas, adereços e objetos usados em festas populares, como Tambor de Mina, Festa do Divino, Tambor-de-Crioula, Carnaval e autos de Natal. Há visitas guiadas.

Igreja do Carmo - Beleza e história se misturam na Igreja do Carmo, erguida em 1627. Em 1643 a construção foi transformada em fortaleza pelos combatentes que expulsaram os invasores holandeses. Já em 1866 teve a fachada revestida por belíssimos azulejos portugueses, preservados até hoje.

Bumba-Meu-Boi - Os meses de junho e de julho são de pura festa em São Luis. No período, a cidade é tomada pelas apresentações do Bumba-Meu-Boi - tradição folclórica e misto de teatro, música e dança - que encantam nativos e turistas. Grupos chegam do interior para brincar nos arraiais que se espalham pelas ruas históricas do Centro e da Praia Grande. 

 

Praias de São Luís-MA

Calhau - A praia de águas calmas, dunas e vegetação rasteira acompanha toda a extensão da Avenida Litorânea. O movimento é grande nos finais de semana, tanto de banhistas quanto de adeptos de atividades esportivas, como corrida e ciclismo. O charme fica por conta dos quiosques padronizados e dos restaurantes sobre palafitas.

Araçagi - A praia fica no município de São José de Ribamar, a 19 quilômetros do Centro. Por ali, a beleza das dunas é superada pelos quiosques de comidas típicas que servem os frequentadores em barraquinhas individuais e acessíveis por carro – os automóveis ficam estacionados na areia, ao lado da barraca exclusiva.

Olho d'Água - O visual é rústico, formado por dunas, morros e falésias; mas Olho d'Água é urbanizada, cheia de quiosques e bastante movimentada. Os ventos fortes que sopram por ali entre os meses de julho e dezembro atraem os praticantes de esportes à vela.

Ponta d'Areia - A praia mais próxima do Centro - Ponta d'Areia fica a quatro quilômetros e tem fácil acesso -  é também a mais freqüentada da cidade, reunindo banhistas de estilos diversos, embora não seja indicada para banhos. Restaurantes e clubes de reggae espalham-se ao longo da orla.

São Marcos - É a preferida da turma jovem e dos surfistas. Os bares garantem a animação durante o dia e também à noite. A paisagem é formada, ainda, por dunas cobertas de verde e ruínas do Forte São Marcos, erguido no século 18.

 

Lençóis Maranhenses

Não existe nada comparável aos fascinantes Lençóis Maranhenses. O Pólo Parque dos Lençóis, situado no litoral oriental do Maranhão, envolve os municípios de Humberto de Campos, Primeira Cruz, Santo Amaro e Barreirinhas, este último sendo o principal portão de entrada para esta fantástica beleza natural.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é um paraíso ecológico com 155 mil hectares de dunas, rios, lagoas e manguezais. São estas águas que, aprisionadas entre dunas, formam verdadeiros oásis tropicais. Suas paisagens são deslumbrantes.

Todas as manhãs, saem carros de tração 4x4 cheios de turistas levando para conhecer as Lagoas Azul, Bonita, da Gaivota, do Peixe entre outros.

A sensação é que morremos e chegamos ao paraíso. Os nomes das lagoas já dizem do que se trata: Lagoa Azul (lembra-se do filme?!) e Lagoa Bonita, de águas azuis e verdes. Para conhecer ambas, é melhor que sejam feitas duas viagens, ou seja, dois dias distintos, pois é muito cansativo fazer em um dia só.

Há, também, o passeio no rio Preguiça. Aluga-se lanchas voadeiras, na cidade de Barreirinhas, para passear no rio e conhecer a praia de Caburé. Lá, há diversas pousadas e restaurantes, comidas regionais deliciosas.

Outra pedida é descer o Rio Preguiças, que margeia o Parque dos Lençóis até desembocar no Oceano Atlântico. A viagem pode ser em barco de linha, barco fretado ou em voadeiras. No trajeto, são obrigatórias as paradas para aproveitar tudo o que o lugar tem a oferecer: dunas, lagoas e paisagens de tirar o fôlego. Grandes atrações do percurso são as comunidades de Atins e Mandacaru, com destaque, nesta última, para o farol, de onde se tem uma visão inigualável do Parque.

Caburé - Um maravilhoso refúgio onde o visitante pode tomar banho de mar e tirar o sal do corpo em água doce. Existem chalés e boa comida.

Mandacaru - Vila de pescadores onde a maior atração é um farol de 54 metros de altura, de onde se tem um belo visual do parque.

Praias - Barra do Tatu, Moitas, Morro do Boi, Ponta do Mangue e Vassouras são algumas das lindas praias em Barreirinhas. Para conhecê-las, chega-se de barco partindo-se de Barreirinhas.

Atins - É um pequeno vilarejo de pescadores que se situa entre o Oceano Atlântico e a foz do Rio Preguiças, é um povoado onde prevalece o estilo rústico da vida, que preserva nossa ligação mais harmônica com o meio ambiente, onde o cotidiano permanece integrado ao ecosistema. É um ótimo local para quem busca as raizes naturais para a paz e a tranquilidade, pois a internet, o telefone e a energia elétrica, tão comuns em nosso dia-a-dia contemporâneo, ainda são extremamente deficitários no local.